Translate

quarta-feira, 19 de julho de 2017

ORAÇÃO A BEZERRA DE MENEZES

Nós Te rogamos, Pai de Infinita Bondade e Justiça, as graças de Jesus Cristo, através de Bezerra de Menezes e suas legiões de companheiros.

Que eles nos assistam, Senhor, consolando os aflitos, curando aqueles que se tornem merecedores, confortando aqueles que tiverem suas provas e expiações a passar, esclarecendo aos que desejarem conhecer a Verdade e assistindo a todos quantos apelam ao Teu Infinito Amor. 

Jesus, Divino Portador da Graça e da Verdade, estende Tuas mãos dadivosas em socorro daqueles que Te reconhecem o Despenseiro Fiel e Prudente; faze-o, Divino Modelo, através de Tuas legiões consoladoras, de Teus Santos Espíritos, a fim de que a Fé se eleve, a Esperança aumente, a Bondade se expanda e o amor triunfe sobre todas as coisas.

Bezerra de Menezes, Apóstolo do Bem e da Paz, amigo dos humildes e dos enfermos, movimenta as tuas falanges amigas em benefício daqueles que sofrem, sejam males físicos ou espirituais. Santos Espíritos, dignos obreiros do Senhor, derramai as graças e as curas sobre a humanidade sofredora, a fim de que as criaturas se tornem amigas da Paz e do Conhecimento, da Harmonia e do Perdão, semeando pelo mundo os Divinos Exemplos de Jesus Cristo.  




domingo, 16 de julho de 2017

COMO FOI O RETORNO DE CHICO XAVIER AO MUNDO ESPIRITUAL ? PELO ESPÍRITO JOANNA DE ÂNGELIS

       Nesta linda e emocionante mensagem, intitulada O Retorno do Apóstolo Chico Xavier, o Espírito Joanna de Ângelis, por meio da Psicografia de Divaldo Franco; faz uma síntese da vida de Chico Xavier, desde antes de reencarnar, depois sobre a infância, sobre os desafios que enfrentou na vida, e no trabalho mediúnico, na divulgação do Espiritismo... até o seu desencarne, sua volta ao mundo espiritual. Boa reflexão a todos. 


   

O Retorno do Apóstolo Chico Xavier


        Quando mergulhou no corpo físico, para o ministério que deveria desenvolver, tudo eram expectativas e promessas.

       Aquinhoado com incomum patrimônio de bênçãos, especialmente na área da mediunidade, Mensageiros da Luz prometeram inspirá-lo e ampará-lo durante todo o tempo em que se encontrasse na trajetória física, advertindo-o dos perigos da travessia no mar encapelado das paixões bem como das lutas que deveria travar para alcançar o porto de segurança.

       Orfandade, perseguições rudes na infância, solidão e amargura estabeleceram o cerco que lhe poderia ter dificultado o avanço, porém, as providências superiores auxiliaram-no a vencer esses desafios mais rudes e a crescer interiormente no rumo do objetivo de iluminação.

       Adversários do ontem que se haviam reencarnado também, crivaram-no de aflições e de crueldade durante toda a existência orgânica, mas ele conseguiu amá-los, jamais devolvendo as mesmas farpas, os espículos e o mal que lhe dirigiam.

       Experimentou abandono e descrédito, necessidades de toda ordem, tentações incontáveis que lhe rondaram os passos ameaçando-lhe a integridade moral, mas não cedeu ao dinheiro, ao sexo, às projeções enganosas da sociedade, nem aos sentimentos vis.

       Sempre se manteve em clima de harmonia, sintonizado com as Fontes Geradoras da Vida, de onde hauria coragem e forças para não desfalecer.

       Trabalhando infatigavelmente, alargou o campo da solidariedade, e acendendo o archote da fé racional que distendia através dos incomuns testemunhos mediúnicos, iluminou vidas que se tornaram faróis e amparo para outras tantas existências.

       Nunca se exaltou e jamais se entregou ao desânimo, nem mesmo quando sob o metralhar de perversas acusações, permanecendo fiel ao dever, sem apresentar defesas pessoais ou justificativas para os seus atos.

       Lentamente, pelo exemplo, pela probidade e pelo esforço de herói cristão, sensibilizou o povo e os seu líderes, que passaram a amá-lo, tornou-se parâmetro do comportamento, transformando-se em pessoa de referência para as informações seguras sobre o Mundo Espiritual e os fenômenos da mediunidade.

       Sua palavra doce e ungida de bondade sempre soava ensinando, direcionando e encaminhando as pessoas que o buscavam para a senda do Bem.

       Em contínuo contato com o seu Anjo tutelar, nunca o decepcionou, extraviando-se na estrada do dever, mantendo disciplina e fidelidade ao compromisso assumido.

       Abandonado por uns e por outros, afetos e amigos, conhecidos ou não, jamais deixou de realizar o seu compromisso para com a Vida, nunca desertando das suas tarefas.

       As enfermidades minaram-lhe as energias, mas ele as renovava através da oração e do exercício intérmino da caridade.

       A claridade dos olhos diminuiu até quase apagar-se, no entanto a visão interior tornou-se mais poderosa para penetrar nos arcanos da Espiritualidade.

       Nunca se escusou a ajudar, mas nunca deu trabalho a ninguém.

       Seus silêncios homéricos falaram mais alto do que as discussões perturbadoras e os debates insensatos que aconteciam a sua volta e longe dele, sobre a Doutrina que esposava e os seus sublimes ensinamentos.

       Tornou-se a maior antena parapsíquica do seu tempo, conseguindo viajar fora do corpo, quando parcialmente desdobrado pelo sono natural, assim como penetrar em mentes e corações para melhor ajudá-los, tanto quanto tornando-se maleável aos Espíritos que o utilizaram por quase setenta e cinco anos de devotamento e de renúncia na mediunidade luminosa.

       Por isso mesmo, o seu foi mediunato incomparável.

       ...E ao desencarnar, suave e docemente, permitindo que o corpo se aquietasse, ascendeu nos rumos do Infinito, sendo recebido por Jesus, que o acolheu com a Sua bondade, asseverando-lhe:

       - Descansa, por um pouco, meu filho, a fim de esqueceres as tristezas da Terra e desfrutares das inefáveis alegrias do reino dos Céus.


Autor: Joanna de Ângelis
Psicografia de Divaldo Franco




quinta-feira, 6 de julho de 2017

LUZ QUE ENTROU NO QUARTO DO HOSPITAL ONDE CHICO XAVIER ESTAVA INTERNADO

         Em junho de 2001, um ano antes de Chico Xavier desencarnar, ele  foi internado por causa de pneumonia nos dois pulmões. Cinco dias depois que Chico estava internado, foi filmado uma luz em alta velocidade entrando no quarto do hospital onde Chico estava internado. Dez minutos depois deste fato, Chico que já estava em estado terminal começou a melhorar.

       Chico Xavier contou que a luz que entrou no quarto era a sua mãe e o seu guia Emmanuel, e este lhe pediu que tivesse paciência e não demorou muito na visita.


       Abaixo esta o vídeo da reportagem realizada pela TV Globo, com a imagem da luz entrando no quarto e Chico afirmando que era a sua mãe Maria José e Emmanuel, entrando no hospital. 


quinta-feira, 29 de junho de 2017

15 ANOS DO DESENCARNE DE CHICO XAVIER

        
          Chico Xavier deixou o plano físico em 30 de junho de 2002, aos 92 anos de idade, em decorrência de uma parada cardiorrespiratória, às 19:30. Oito dias antes de completar 75 anos de trabalho para o Espiritismo, com sua mediunidade abençoada, como um dos mais legítimos discípulos de Jesus. Fazendo neste ano de 2017, 15 anos do seu desencarne.

        Conforme relatos de amigos e parentes próximos, Chico dizia que iria desencarnar num dia de muita felicidade para o Brasil, em que o país estivesse em festa, para assim o desencarne dele não causar tristeza. E assim aconteceu. Pois, o país festejava a conquista do pentacampeonato da Copa do Mundo de Futebol daquele ano. Chico desencarnou cerca de nove horas depois da partida final de Brasil x Alemanha.

        Segundo a Polícia Militar de Minas Gerais, cerca de 120 mil pessoas compareceram ao velório do médium, que aconteceu em Uberaba nos dias 1 e 2 de julho. Em um caminhão do Corpo de Bombeiros, o caixão com o corpo do médium percorreu 5km até chegar ao Cemitério São João Batista, em Uberaba, e mais de 30 mil pessoas acompanharam o cortejo a pé. Quando o caixão chegou ao cemitério, foi recebido com uma chuva de pétalas de 3 mil rosas lançadas em profusão de um helicóptero da Polícia Rodoviária Federal.


        Francisco Cândido Xavier, com sua mediunidade ímpar, a sua bondade atraiu pessoas de todos os credos, e até mesmo aquelas que não tinha nenhuma religião. Psicografou 468 livros, vendendo mais de 50 milhões de exemplares em todo o mundo, todo os direitos autorais da venda dos livros foram para instituições de caridade. Nunca ficando com nenhum valor desses livros. Também psicografou cerca de 10 mil cartas, sem nunca ter cobrado nada. Esta dedicação no trabalho em benefício do próximo possibilitou a Chico a indicação, ao Prêmio Nobel da Paz de 1981. E no ano de 2012, Chico foi eleito “O Maior Brasileiro de Todos os Tempos”, em evento promovido e realizado pela emissora de televisão SBT.

        Chico foi um homem extraordinário, com sua vida de dedicação e sem a necessidade do muito para viver, sempre levou a sua vida da forma mais simples, sem luxos. Homem de coragem, para propagar o Espiritismo, e ser o elo entre os espíritos e os encarnados. Sua humildade exemplificadora e capacidade de transmitir mensagens vindo da espiritualidade de forma clara e precisa. E todo seu amor por aqueles para os necessitados, uns que iam em busca de simples sopa, cesta básica... necessitados para viver; outros que com toda a sua riqueza financeira necessitada do seu auxilio para vencer as dificuldades que atravessavam.

        No vídeo abaixo está a reportagem do Jornal Nacional da TV Globo com a cobertura do velório e do enterro da morte de Chico Xavier. A fonte deste vídeo é de Fabio Marckezini no YouTube. 


                                     

À Chico as nossas energias de agradecimentos e de amor.

terça-feira, 27 de junho de 2017

CHICO XAVIER JÁ FOI INDICADO AO NOBEL DA PAZ

          Francisco Cândido Xavier, foi indicado ao Prêmio Nobel da Paz de 1981.

        Em 1980, foi realizado um movimento para propor a candidatura de Chico para a premiação. Por iniciativa do escritor, diretor de TV uberabense Augusto César Vannucci, que era amigo de Chico, e outros amigos se associaram e o movimento adquiriu extensão. Esse movimento de abaixo assinado, fez listas percorrerem o Brasil, acumulando cerca de 2 milhões de assinaturas pedindo a candidatura de Chico Xavier ao Nobel da Paz de 1981. E sua candidatura foi aceita.

        Chico afirmou que recebeu a notícia da indicação “Com muita surpresa, porquanto nunca pensei numa indicação dessa.” E contou que aceitou a indicação “Num caso de generosidade espontânea qual o de Augusto César Vannucci, e conquanto me reconheça sem qualquer merecimento para a concessão proposta, recusar-me à apresentação dele seria de minha parte uma descortesia das mais grossas, mesmo porque, em se tratando de Vannucci, que considero amigo particular, desde muito tempo, creio que ele terá tido o propósito de homenagear a Doutrina Espírita ligada ao Evangelho de Jesus, e não a mim.”

         Chico não ganhou o prêmio Nobel da Paz, que foi concedido naquele ano de 1981, ao Alto Comissariado das Nações para os Refugiados (ACNUR), Instituição da ONU, por seu papel no auxílio de refugiados de guerra. Chico Xavier recebeu a notícia da seguinte forma: “Nós estamos muito felizes em saber que um prêmio dessa ordem coube a uma Organização que já atendeu a mais de 18 milhões de refugiados em todo o mundo. A Organização detentora do prêmio é mais do que merecedora dessa homenagem do mundo, através do Prêmio Nobel da Paz. Nós todos deveríamos instituir recursos para uma organização como essa, onde mais de 18 milhões de criaturas encontraram apoio, amparo a bênçãos. Nós estamos muito contentes e, sem falsa modéstia, nós nos regozijamos com os resultados dessa comissão que foi tão feliz nessa escolha, porque, graças a Deus, estamos muito bem. Para fazer um pouco de alegria nos corações, vamos dizer que não tivemos, na Doutrina Espírita, o Prêmio da Paz, mas estamos com a PAZ DO PRÊMIO.”


terça-feira, 20 de junho de 2017

SEJA FORTE

É verdade que às vezes tudo parece cair sobre você, que as soluções dos problemas se escondem, que as forças para vencer os obstáculos parecem faltar e que não há com o que se alegrar. 


Mas, calma. Antes de se dizer sem forças, sem condições, aprume o pensamento, olhe o tanto que pode resistir, realizar e... mãos à obra. 


Vá em frente, confiante de que tudo pode resolver e de que nada impedirá o seu progresso.


Quem não se deixa dominar pelo desânimo experimenta o prazer da vitória. 



Lourival Lopes.
Do livro Paz Todo Dia – pg.55


quarta-feira, 14 de junho de 2017

Post.252: ÚTERO ARTIFICIAL E A PREVISÃO DE CHICO XAVIER

        No final do mês de abril chegou ao conhecimento do público o estudo que foi publicado no periódico Nature Communications, sobre o desenvolvimento de Útero Artificial. Que foi uma das previsões de Chico Xavier. O estudo está sendo o seguinte:


Em uma experiência liderada por Emily Partridge, do Centro de Pesquisa Fetal do Hospital Pediátrico da Filadélfia, nos Estados Unidos, cientistas conseguiram fazer com que cordeiros prematuros sobrevivessem por 4 semanas fora do útero de suas mães. A ideia é que a pesquisa revolucione o tratamento de bebês prematuros, aumentando suas chances de vida.

Segundo o cirurgião Alan Flake, um dos autores da pesquisa, o simulador de útero dá continuidade ao que ocorre naturalmente dentro do útero. Para isso, os cientistas desenvolveram uma versão sintética do líquido amniótico, que é filtrada constantemente. “Ele reproduz com muita proximidade o útero e a placenta”, afirma Alan Flake. A ideia é que o aparelho – adaptado – sirva para abrigar fetos humanos nascidos muito prematuramente, quando as chances de sobrevivência são de no máximo 15%.


O invólucro é preenchido por uma versão sintética do líquido amniótico de um útero real, que é filtrado constantemente. Além de isolar o bebê prematuro das infecções a que seu sistema imunológico seria exposto no ambiente de um hospital, a substância mantém os pulmões do recém-nascido submersos, um pré-requisito para seu desenvolvimento adequado. 

A respiração é artificial. Uma máquina do lado de fora da bolsa tira gás carbônico e adiciona oxigênio ao sangue do cordeiro – o líquido entra e sai pelo cordão umbilical impulsionado pelos próprios batimentos cardíacos do filhote, não é preciso bombeá-lo. O método evita danos ao delicado sistema circulatório do feto e simula a troca de gases com a mãe.

"Uma das principais vantagens do nosso sistema é evitar a insuficiência cardíaca, que vem do desequilíbrio dos fluxos sanguíneos criados com circuitos de bomba", afirmou à imprensa o pesquisador Marcus Davey, engenheiro líder do projeto. 

Vídeo da Revista Galileu

O equipamento é composto por três itens: a provisão de um líquido cuja composição é semelhante a do líquido aminiótico (como já vimos) e duas engrenagens que garantem o bombeamento de sangue pelo coração e a troca gasosa entre gás carbônico e oxigênio. Os fetos de cordeiro utilizados tinham idade gestacional entre a 15ª e a 17ª semanas, equivalente a 23ª a 24ª semanas de gestação humana, quando foram retirados do corpo das mães por meio da cesariana. No mês seguinte em que permaneceram nesse “útero”, os fetos dos cordeiros ganharam peso e até abriram os olhos. Exames posteriores mostraram que o desenvolvimento cerebral e pulmonar dos animais havia sido adequado.

A pesquisa envolveu seis fetos de ovelha. Todos nasceram entre 105 e 112 dias após o início da gestação – o equivalente a só seis meses na espécie humana. Após quatro semanas no interior do equipamento, todos sobreviveram. Depois do sucesso com os ovinos, a intenção dos pesquisadores é aplicar a tecnologia em maternidades humanas – onde as estatísticas ainda são preocupantes.

“Eu fico impressionado toda vez que vejo nossos cordeirinhos”, afirmou à imprensa Alan Flake, coautor do artigo. “É incrível ver o feto no interior do equipamento agindo da maneira como age no útero, e conseguir dar continuidade a uma gestação normal fora da mãe.”

O plano é desenvolver um recurso semelhante para fetos humanos nascidos por volta da 23ª semana e que permita abrigá-los até a 28ª semana de gestação. Os pesquisadores já deixaram claro, porém, que seria impossível tirar a mãe da equação – a intenção do estudo é simplesmente melhorar as chances de sobrevivência de fetos em urgências médicas. Segundo os cientistas, se conseguirem as liberações necessárias, a estimativa de tempo para que o tratamento esteja disponível para bebês humanos é de três a cinco anos.




A PREVISÃO DE CHICO XAVIER

Assim, mais uma vez vemos o avanço cientifico se concretizar para o bem da humanidade, em que nós espíritas já sabíamos ser possível o útero artificial quando a ciência estiver apta para conseguir realizar a gestação em laboratório. Isto por meio de previsão de Chico Xavier; no primeiro programa Pinga Fogo que participou, em 1971, pela Rede Tupi. Chico falou sobre uma série de avanços científicos que ocorreriam; dentre os temas falou sobre o útero artificial, tratando-o como Tubo de Ensaio; no vídeo abaixo podemos acompanhar a resposta do próprio Chico Xavier, quando afirmou o seguinte: “Então se formos dignos de recebermos o tubo de ensaio, como sendo um castro materno, estruturado pela ciência, vamos esperar que no tubo de ensaio que a reencarnação se faça com muito mais facilidade para as garantias de saúde dos espíritos reencarnantes, porque nós como espíritos reencarnante aqui na Terra, estaremos libertos de muitos traumas que acontece em nossa condição de vida embrionária, quando na companhia mais íntima de nossas mãezinhas sobre a Terra, mas a vinculação do amor, esta não terminará nunca, porque o amor é presença de Deus. E o amor continuará a nos unir uns aos outros para sempre, e nos amaremos cada vez mais, agora vamos educar o amor, porque não temos sabido amar uns aos outros como Jesus nos amou.”

A resposta do próprio Chico Xavier, sobre gestação em laboratório

       Então, esse avanço cientifico poderá fazer com que a reencarnação se der com muito mais facilidade, para garantia da saúde do espírito reencarnante, para que não sofra traumas corriqueiros do período da gestação materna. Assim, além de salvar vidas de bebês, e serem gerados com corpos saudáveis, no futuro a mulher não mais vai precisar correr os riscos da gravidez e seus tormentos. E em relação a vinculação do amor não irá acabar nunca, pois com o passar do tempo vamos compreender que amar não está relacionado à apenas gerar corpos, ou consanguinidade, pois sabemos que à medida que evoluímos a noção de família se estende para a sociedade e à Humanidade.
      Já no livro intitulado “Chico Xavier, o Santo de Nossos Dias” de R. A. Ranieri, autor que, durante algum tempo, na cidade de Pedro Leopoldo, conviveu com Chico Xavier, no capítulo intitulado: As Grandes Reencarnações. Após tecer comentário em torno da reencarnação de grandes espíritos, que se daria na Terra a partir da década de 80, a fim de impulsionar o progresso da humanidade, o autor Ranieri nos informa o seguinte :

Ainda pensávamos nisso. Chico ria para todos naquela sua alegria espiritual de sempre, quando de súbito, alguém voltou a falar em limitações de filhos. Parece que uma mulher. 

- Olha Chico, dizia ela, você não acha que a mulher sofre muito para ter filhos? 

- Sofre, minha irmã, no entanto, quando o filho nasce, ela esquece tudo. Só tem olhos e sorrisos para ele. Há uma grande compensação. 

Disse outro:

- E essa notícia de que estão desenvolvendo o ser humano no laboratório? Eles conseguirão alguma coisa?

Chico ficou sério e confirmou:

- Olha gente, a ciência vai desenvolver o ser humano no laboratório. Eles (os cientistas) vão fabricar um enorme útero no laboratório e aí dentro vão gerar o ser. Levarão talvez de duzentos a quatrocentos anos até conseguirem realizar. Mas vão realizar. Aí libertarão a mulher do parto. E tem outra coisa. Nesse útero, os espíritos vão reencarnar, tudo direitinho, sem problema. Esse fato não vai alterar coisa alguma, a ciência vai conseguir isso. Ora, o avanço da ciência é obra da espiritualidade através dos missionários. 



       O que observamos neste estudo cientifico é o inicio do desenvolvimento que no futuro será algo complexo. Como vimos o objetivo inicial dos cientistas é salvar bebês prematuros, mas como a vida é evolução, os avanços não ficam estagnados e veremos a previsão de Chico Xavier se concretizar por completo no futuro, quando os úteros artificiais ou de laboratório começarem a gestar definitivamente bebês, isto será visto de uma forma normal no futuro. Lembremos que os avanços científicos só ocorrem quando a humanidade está madura e atingiu o progresso determinado para receber tais melhorias para a vida humana. Além do mais, o Espiritismo tem sua base na ciência, Allan Kardec nos informou que, se um dia a ciência provar que o Espiritismo está errado, devemos ficar com a ciência. Isto mostra a autenticidade desta Doutrina, que ver longe, e que a ciência vem comprovando e alcançando novas melhorias para a vida humana. Como é belo ver os avanços científicos para o bem da humanidade e estarmos a presenciar o inicio de tecnologias futuras.


quinta-feira, 8 de junho de 2017

PRECES AOS ANJOS GUARDIÕES E AOS ESPÍRITOS PROTETORES

Espíritos sábios e benevolentes, mensageiros de Deus, cuja missão é assistir os homens e conduzi-los no bom caminho, sustentai-me nas provas desta vida; daime a força de suportá-las sem murmurar; desviai de mim os maus pensamentos, e fazei com que eu não dê acesso a nenhum dos maus espíritos que tentarem me induzir ao mal. Esclarecei minha consciência sobre meus defeitos, e elevai de sobre meus olhos o véu do orgulho que poderia impedir-me de os perceber e confessá-los a mim mesmo.

Vós, sobretudo (falar nome do guia), meu anjo guardião, que velais mais particularmente por mim, e vós todos espíritos protetores que vos interessais por mim, fazei com que me torne digno da vossa benevolência. Conheceis as minhas necessidades, que elas sejam satisfeitas segundo a vontade de Deus.




OUTRA PRECE
Meu Deus, permitir aos bons espíritos que me cercam, virem em minha ajuda quando estiver em dificuldade, e me sustentar se vacilo. Fazei, Senhor, que eles me inspirem a fé, a esperança e a caridade; que sejam para mim um apoio, uma esperança e uma prova da vossa misericórdia; fazei, enfim, que eu encontre junto deles a força que me falta nas provas da vida, e, para resistir às sugestões do mal, a fé que salva e o amor que consola.  




OUTRA PRECE
Espíritos bem-amados, anjos guardiões, vós a quem Deus, em sua infinita misericórdia, permite velar pelos homens, sede meus protetores nas provas da minha vida terrestre. Dai-me a força, a   coragem e a resignação; inspirai-me tudo o que é bom e detende-me na inclinação do mal; que vossa doce influencia penetre minha alma; fazei com que eu sinta que um amigo devotado está perto de mim, que vê meus sofrimentos e partilha minhas alegrias.

E vós, meu bom anjo, não me abandoneis; tenho necessidade de toda a vossa proteção para suportar com FEE e amor as provas que aprouver a Deus me enviar. 




Fonte: Coletânea de Preces Espíritas, de Allan Kardec.


quinta-feira, 1 de junho de 2017

A MÚSICA: TOCANDO EM FRENTE, FOI UMA PSICOGRAFIA.

          A música Tocando em Frente, de Almir Sater e Renato Teixeira; muito tocada no meio espírita, foi uma psicografia. Almir Sater, no final do vídeo abaixo revela esta informação. Afirmando que foi um presente inesperado que receberam e contando a história da autoria da música. Renato Teixeira escreveu rapidamente a letra e Almir Sater pegou um violão e começou a tocar e veio rapidamente uma melodia .  No vídeo Almir conta que a música veio tão rápido e sem pensar, que eles não deram muito valor porque foi muito fácil, não sabiam o que tinham em mãos, nem a mensagem da música.
                                  
        Inspiração, significa: ideia ou pensamento que surge de repente.

       O Espiritismo nos esclarece que, a inspiração é o recebimento espontâneo de ideias, pensamentos, concepção/criação, vindo de espíritos. Allan Kardec, no O Livro dos Médiuns escreveu que: O papel do médium mecânico é o de uma máquina; o médium intuitivo age como o faria um intérprete. Este, de fato, para transmitir o pensamento, precisa compreendê-lo, apropriar-se dele, de certo modo, para traduzi-lo fielmente e, no entanto, esse pensamento não é o seu, apenas lhe atravessa o cérebro. Esse é, precisamente, o papel do médium intuitivo.

       Sabemos que os artistas recebem muita inspiração espiritual por meio da arte que exercem. Pela sensibilidade que carregam. E no meio espírita sabemos que há vairas músicas que foram psicografadas. Léon Denis, no Livro O Problema do Ser, do Destino e da Dor; fala que: “Uma das formas empregadas pelos habitantes do mundo invisível para nos transmitirem seus avisos, suas instruções (...) pela mediunidade o espírito infunde suas ideias no entendimento do transmissor.”


       Segue o vídeo com a música cantada por Almir Sater e a explicação da sua criação no final do vídeo. Uma belíssima canção que nos leva a refletir sobre a vida | “Cada um de nós compõe a sua a história. Cada ser em si carrega o dom de ser capaz. De ser feliz.”








quinta-feira, 25 de maio de 2017

ESPERANÇA

Porque tudo que dantes foi escrito, para nosso ensino foi escrito, para que pela paciência e consolação das Escrituras tenham esperança. 
– Paulo (Romanos, 15:4.)

             A esperança é a luz do cristão.

            Nem todos conseguem, por enquanto, o voo sublime da fé, mas a força da esperança é tesouro comum.

           Nem todos podem oferecer, quando querem, o pão do corpo e a lição espiritual, mas ninguém na Terra está impedido de espalhar os benefícios da esperança.

           A dor costuma agitar os que se encontram no “vale da sombra e da morte”, onde o medo estabelece atritos e onde a aflição percebe o “ranger de dentes”, nas “trevas exteriores”, mas existe a luz interior que é a esperança.

          A negação humana declara falências, lavra atestados de impossibilidade, traça inextricáveis labirintos, no entanto, a esperança vem de cima, à maneira do Sol que ilumina do alto e alimenta as sementeiras novas, desperta propósitos diferentes, cria modificações redentoras e descerra visões mais altas.

          A noite espera o dia; a flor, o fruto; o verme, o porvir... O homem, ainda mesmo que se mergulhe na descrença ou na dúvida, na lágrima ou na dilaceração, será socorrido por Deus com a indicação do futuro.

         Jesus, na condição de Mestre divino, sabe que os aprendizes nem sempre poderão acertar inteiramente, que os erros são próprios da escola evolutiva e, por isto mesmo, a esperança é um dos cânticos sublimes do seu Evangelho de Amor.

        Imensas tem sido, até hoje, as nossas quedas, mas a confiança do Cristo é sempre maior. Não nos percamos em lamentações. Todo momento é instante de ouvir Aquele que pronunciou o “Vinde a mim...”

        Levantemo-nos e prossigamos, convictos de que o Senhor nos ofereceu a luz da esperança, a fim de acendermos em nós mesmos a luz da santificação espiritual.

Pelo Espírito Emmanuel.
Psicografia de Chico Xavier.

Fonte: Vinha de Luz. Pelo Espírito Emmanuel. Psicografia de Chico Xavier. Coleção Fonte Viva.





“Fortalecemos nossa esperança em dias melhores, em nós mesmos e acima de tudo em Deus. Que como um Pai não deixa nenhum do seus filhos desamparados, segundo a sua obra. Que na escuridão da caminhada evolutiva os ensinos do Evangelho que Cristo nos trouxe possa ser a luz nos momentos escuros e a esperança de claridade futura. Que tenhamos a certeza que nunca estaremos desamparados, que o Amor de Deus, imensurável para nós, sempre está nos auxiliando, seja das maneiras mais desconhecidas e mais inesperadas que possamos imaginar. Que a luz de Mestre Jesus e sua energia nos ampare sempre, e que fortaleça a nossa esperança no futuro, no amor, na caridade... Que a esperança sempre floresça em nossos corações como uma lida flor perfumada.” - Jardim Espírita. 

sexta-feira, 19 de maio de 2017

DEUS PRIMEIRO

       Caminharás, muitas vezes, no mundo, à maneira de barco no oceano revolto, sob a ameaça de soçobro, a cada momento; entretanto, pensa em Deus primeiro e encontrarás o equilíbrio que reina, inviolável, no seio dos elementos.

       Se a natureza parece descer à desordem, prenunciando catástrofe, não permitas que a tua palavra se converta em agente da morte. Fala em Deus primeiro.

      Antes das destruições que hoje atribulam a Humanidade, outras destruições ocorreram ontem, mas Deus plantou, em silêncio, novas cidades e novos campos onde a ventania da transformação instalara o deserto.

     Se os profetas da calamidade e da negação anunciarem o fim do mundo, traçando quadros de aflição e terror, crê em Deus primeiro. Recordando que ainda mesmo da cova pequenina, em que a semente minúscula é sepultada, o Senhor faz nascer a graja do perfume e a beleza da cor, a abastança da seiva e a alegria do pão.

     Se a dor te constringe o peito, em forma de angústia ou abandono, tristeza ou enfermidade, recorre a Deus primeiro.

     Ele será teu refúgio na tempestade, companheiro na solidão, esperança nas lágrimas, remédio no sofrimento.

     Diante de toda provação e à frente dos próprios erros, busca Deus primeiro.

     Ele, que mantém as estrelas no Espaço e alimenta os vermes no abismo, ser-nos-á sustento e consolo.

     Nesse ou naquele problema, quanto nessa ou naquela dificuldade, confia em Deus primeiro e sentirás que a nossa própria vida é uma bênção de luz, para sempre guardada nos braços do Amor Eterno.


Pelo Espírito Emmanuel.
Psicografia de Chico Xavier.



                     


Fonte: do livro – Caminho Espírita.Psicografado por Francisco Cândido Xavier. 

quinta-feira, 11 de maio de 2017

Post.251: DA NATUREZA E ATRIBUTOS DE DEUS

        O homem não pode compreender a natureza íntima de Deus, é um sentido que lhe falta. O homem só irá compreender o mistério da Divindade quando seu espírito não estiver mais obscurecido pela matéria e, pela sua perfeição, estiver próximo de Deus, então, o homem verá e compreenderá Deus. Pois, a inferioridade das faculdades do homem não lhe permite compreender a natureza íntima de Deus. Na infância da Humanidade, o homem o confunde, frequentemente, com a criatura, da qual lhe atribui as imperfeições. Mas, à medida que o senso moral se desenvolve nele, seu pensamento penetra melhor o fundo das coisas, e dele faz uma ideia mais justa e mais conforme a sã razão.

        Como não podemos compreender a natureza íntima de Deus no nosso atual 
estagio evolutivo, podemos ter uma ideia de algumas de Suas Perfeições, porque vamos compreendendo melhor à medida que nos elevamos acima da matéria, e vamos entrevê as Suas Perfeições pelo pensamento. 

        Então, não é dado ao homem sondar a natureza íntima de Deus. Para compreender Deus nos falta, ainda, o sentido que não se adquire senão pela completa depuração do Espírito. Mas, se o homem não pode penetrar a sua essência, sendo a sua existência dada como premissa, pode, pelo raciocínio, chegar ao conhecimento dos seus atributos necessários; porque, em vendo o que não pode deixar, sem cessar, de ser Deus, disso conclui o que deve ser. 

                   


        Sem o conhecimento dos atributos de Deus, seria impossível compreender a obra da criação; é o ponto de partida de todas as crenças religiosas, e foi pela falta de a ela se referirem, como farol que poderia dirigi-las, que a maioria das religiões errou em seus dogmas. As que não atribuíram a Deus a onipotência, imaginaram vários deuses; as que não lhe atribuíram a soberana bondade, dele fizeram um deus ciumento, colérico, parcial e vingativo.

        - Deus é a suprema e soberana inteligência. A inteligência do homem é limitada, uma vez que não pode nem fazer e nem compreender tudo o que existe; a de Deus, abarcando o Infinito, deve ser infinita. Se se supusesse limitada em um ponto qualquer, poder-se-ia conceber um ser ainda mais inteligente, capaz de compreender e de fazer o que o outro não faria, e, assim, sucessivamente até o infinito.

        - Deus é eterno, quer dizer que não teve começo e nem terá fim. Se houvesse tido um começo, teria saído do nada; o nada não sendo nada, nada pode produzir; ou bem ele haveria sido criado por um ser anterior, e, então, esse ser é que seria Deus. Se se lhe supusesse um começo ou um fim, poder-se-ia, pois, conceber um ser tendo existido antes dele, ou podendo existir depois dele, e assim sucessivamente até o infinito.

        - Deus é imutável. Se estivesse sujeito a mudanças, as leis que regem o Universo não teriam nenhuma estabilidade.

        - Deus é imaterial, quer dizer, que a sua natureza difere de tudo o que chamamos matéria; de outro modo, não seria imutável, porque estaria sujeito às transformações da matéria. Deus não tem forma apreciável pelos nossos sentidos; sem isto, seria matéria. (...)

       - Deus é todo-poderoso. Porque é único. Se não tivesse o supremo poder, poder-se-ia conceber um ser mais poderoso, e assim, sucessivamente até que se encontrasse o ser que nenhum outro poderia superar em poder, e este é que seria Deus.

        - Deus é soberanamente justo e bom. A sabedoria providencial das leis divinas se revela nas pequenas coisas como nas maiores, e essa sabedoria não permite duvidar nem da sua justiça, nem da sua bondade. (...) A soberana bondade implica na soberana justiça; porque se agisse injustamente, ou com parcialidade, em uma só circunstância, ou com relação a uma só das suas criaturas, não seria soberanamente justo e, por consequência, não seria soberanamente bom.


        - Deus é infinitamente perfeito. É impossível conceber Deus sem o infinito das perfeições, sem o que não seria Deus, porque se poderia sempre conceber um ser possuindo o que lhe faltasse. Para que nenhum ser possa superá-lo, é preciso que seja infinito em tudo.

        - Deus é único. A unidade de Deus é a consequência do infinito das perfeições. Um outro Deus não poderia existir senão com a condição de ser igualmente infinito em todas as coisas; porque se houvesse, entre eles, a mais leve diferença, um seria inferior ao outro, subordinado ao seu poder, e não seria Deus. Se houvesse, entre eles, igualdade absoluta, seria, de toda a eternidade, um mesmo pensamento, uma mesma vontade, um mesmo poder; assim, confundidos em sua identidade, não seriam, em realidade, senão um único Deus. Se cada um tivesse atribuições especiais, um faria o que o outro não faria, e, então, não teriam, entre eles, igualdade perfeita, uma vez que, nem um nem o outro, teria a soberana autoridade.

       Então, quando dizemos que Deus é eterno, infinito, imutável, imaterial, único, todo-poderoso, soberanamente justo e bom, é uma ideia de como é Deus do nosso ponto de vista, porque cremos tudo abraçar. Mas há coisas acima da inteligência do homem mais inteligente, e para as quais nossa linguagem é limitada as nossas ideias e as nossas sensações, não tem expressão adequada.

       Foi a ignorância do infinito das perfeições de Deus que engendrou o politeísmo, culto de todos os povos primitivos; eles atribuíram divindade a todo poder que lhes pareceu acima da Humanidade; mais tarde, a razão levou-os a confundir essas diversas potências em uma única. Depois, à medida que os homens compreenderam a essência dos atributos divinos, suprimiram, dos seus símbolos, as crenças que dele eram a negação.

       Em resumo, Deus não pode ser Deus senão com a condição de ai ser superado, em nada, por um outro ser; porque, então, o ser que o superasse, no que quer que fosse, não fora senão na espessura de um cabelo, seria o verdadeiro Deus; por isso, é preciso que seja infinito em todas as cosias.

       É assim que, estando a existência de Deus constatada pelo fato das suas obras, chega-se pela simples dedução lógica, a determinar os atributos que o caracterizam.

       Deus é, pois, a suprema e soberana inteligência; é único, eterno, imutável, imaterial, todo-poderoso, soberanamente justo e bom, infinito em todas as suas perfeições, e não pode ser outra coisa. Tal é o eixo sobre o qual repousa o edifício universal; é o farol cujos raios se estendem sobre o Universo inteiro, e que, unicamente, pode guiar o homem na procura da verdade; seguindo-O, o homem não se perderá nunca, e se está tão frequentemente extraviado é por falta de ter seguido a rota que lhe estava indicada.

       Tal é, também, o critério infalível de todas as doutrinas filosóficas e religiosas; o homem tem, para julgá-las, uma medida, rigorosamente exata, nos atributos de Deus, e pode se dizer, com certeza, que toda teoria, todo princípio, todo dogma, toda crença, toda prática que estivesse em contradição com um único dos seus atributos, que tendesse não somente a anulá-los, mas simplesmente enfraquecê-los, não poderia estar com a verdade.

       Em filosofia, em psicologia, em moral, em religião, não há de verdadeiro senão aquilo que não se desvie um iota das qualidades essenciais da Divindade. A verdadeira religião será aquela na qual nenhum artigo de fé esteja em oposição com essas qualidades, na qual todos os dogmas poderão sofrer a prova desse controle, sem dele receber nenhum prejuízo.

                     


Fonte: O Livro dos Espírito, de Allan Karde.
A Gênese – Os Milagres e as Predições Segundo o Espiritismo, de Allan Kardec.


quinta-feira, 4 de maio de 2017

Post.250: EXISTÊNCIA DE DEUS

         Allan Kardec iniciou O Livro dos Espíritos com uma grande questão, que permeia a humanidade desde do inicio de sua existência, Kardec perguntou aos espíritos superiores:
        1 – Que é Deus?
E os espíritos superiores responderam: Deus é a inteligência suprema, causa primeira de todas as coisas.

        E Kardec continuou a indagar aos espíritos superiores, na segunda e terceira questão do livro dos espíritos encontramos as seguintes perguntas:
       2 – Que se deve entender por Infinito?
Resposta:O que não tem começo e nem fim; o desconhecido; tudo o que é desconhecido é infinito.
       3 – Poder-se-ia dizer que Deus é o infinito?
Resposta: Definição incompleta. Pobreza da linguagem dos homens, que é insuficiente para definir as coisas que estão acima de sua inteligência.
        Em nota explicativa a esta questão Kardec escreveu: Deus é infinito em suas perfeições, mas o infinito é uma abstração. Dizer que Deus é o infinito é tomar o atributo pela própria coisa, e definir uma coisa que não é conhecida, por uma coisa que também não o é.

       Na quarta pergunta de O Livro dos Espíritos, Kardec pergunta aos espíritos superiores sobre a prova da existência de Deus:
       4 – Onde se pode encontrar a prova da existência de Deus?
Resposta: Num axioma que aplicais às vossas ciências: não há efeito sem causa. Procurai a causa de tudo o que não é obra do homem, e vossa razão vos responderá.
       Em nota explicativa a esta questão Kardec escreveu: Para crer em Deus basta lançar os olhos sobre as obras da criação. O Universo existe; ele tem, pois, uma causa. Duvidar da existência de Deus seria negar que todo efeito tem uma causa, e adiantar que o nada pode fazer alguma coisa. 


        Sendo Deus a causa primeira de todas as coisas, o ponto de partida de tudo, o eixo sobre o qual repousa o edifício da criação, é o ponto que importa considerar antes de tudo.

        É principio elementar que se julgue uma causa por seus efeitos, mesmo quando não se vê a causa. (...) Não é, pois, sempre necessário ter visto uma coisa para saber que ela existe. Em tudo, é observando-se os efeitos que se chega ao conhecimento das causas.

       Um outro princípio também elementar, passado ao estado de axioma, por força de verdade, é que todo efeito inteligente deve ter uma causa inteligente. (...)

       Lançando os olhos ao redor de si, sobre as obras da Natureza, observando a previdência, a sabedoria e a harmonia que presidem a tudo, reconhece-se que não há nenhuma delas que não sobrepasse o mais alto alcance da inteligência humana. Desde que o homem não pode produzi-las, é porque são o produto de uma inteligência superior à humanidade, a menos que se diga que há efeitos sem causa.
       No mecanismo do Universo, Deus não se mostra, mas se afirma pelas suas obras.

       A existência de Deus é, pois, um fato adquirido, não somente pela revelação, mas pela evidência material dos fatos. Os povos selvagens não tiveram revelação e, não obstante, creem, instintivamente, na existência de um poder sobre-humano; veem coisas que estão acima do poder humano, e delas concluem que provem de um ser superior à Humanidade.


Fonte: O Livro dos Espírito, de Allan Kardec.
           A Genêse – Os Milagres e as Predições Segundo o Espiritismo, de Allan Kardec.

sexta-feira, 28 de abril de 2017

PAZ ÍNTIMA PELO ESPÍRITO VICTOR HUGO

Victor Hugo

“Para que uma conduta pacifista se estabeleça e 
predomine no homem, faz-se necessária uma 
vontade forte que promova a revolução interior, 
em violência contra si mesmo, através da revisão 
e reestruturação dos conceitos sobre a vida, 
assumindo uma posição de princípios definidos, 
sem titubeios nem ambiguidades escapistas.

Tomada essa conduta, a marcha se faz amena, 
porque o homem passa a considerar todos os 
sucessos do ponto de vista espiritual, isto é, da 
transitoriedade da existência corporal e da 
perenidade do Espírito.

Desse modo, muda a paisagem dos fenômenos 
humanos que, efeitos de causas profundas, 
devem ser examinados e corrigidos nas suas 
gêneses, antes que mediante a irrupção de novos 
incidentes, em razão das reações tomadas contra 
os mesmos.

Agir com lucidez ao invés de reagir pela força, é 
a conduta certa, porque procedente da razão, 
antes que decorrente do instinto-paixão 
dissolvente.

Não há outra alternativa para o ser inteligente, 
senão o uso da razão em todo momento e em 
qualquer ocorrência nas quais seja colhido.

A sua reação não pode ultrapassar o limite do 
equilíbrio, sustando o golpe que lhe foi desferido 
ou o amortecendo no algodão da misericórdia em 
favor de quem lho aplicou...

Mediante esse processo, ruem as barreiras da 
intolerância, e do ódio; acabam-se as distâncias 
impeditivas à fraternidade; apagam-se as 
mágoas; diluem-se os rancores, porque ninguém 
logra vencer aquele que a si próprio já se venceu.

Os ultrajes não o afetam; as agressões não o 
intimidam; a morte não o atemoriza, porque ele 
é livre, portador de uma liberdade que algema 
nenhuma escraviza ou aprisiona, nem cárcere 
algum limita...

É, portanto, imbatível, terminando por fazer-se 
amado, mártir dos ideais e das aspirações de 
todos. Pronto!”

Pelo Espírito Victor Hugo.
Psicografia de Divaldo Franco. 


Livro: Árdua Ascensão


terça-feira, 25 de abril de 2017

MAIORAIS

E Ele, assentando-se, chamou os doze e disse-lhes: Se alguém 
quiser ser o primeiro, será o último de todos e servo de todos. (Marcos,9:35.)


         Ser dos primeiros na Terra não é problema de solução complicada.

        Há maiorais no mundo em todas as situações.

        A ciência, a filosofia, o sacerdócio, tanto quanto a política, o comércio e as finanças podem exibi-los, facilmente.

        Os homens principais da ciência, com legítimas exceções, costumam ser grandes presunçosos; os da filosofia, argutos sofistas do pensamento; os do sacerdócio, fanáticos sem compreensão da verdadeira fé. Em política, muitos dos maiorais são tiranos; no comércio, inúmeros são exploradores e, nas finanças, muitos deles não passam de associados das sombras contra os interesses coletivos.

        Ser dos primeiros, no entanto, nas esferas de Jesus sobre a Terra, não é questão de fácil acesso à criatura vulgar.

        Nos departamentos do mundo materializado, os principais devem ser os primeiros a serem e contam com a obediência compulsória de todos.

        Em Cristianismo puro, os espíritos dominantes são os últimos na recepção dos benefícios, porquanto são servos reais de quantos lhes procuram a colaboração fraterna.

        É por isso que em todas as escolas cristãs há numerosos pregadores, muitos mordomos, turbas de operários, cooperadores do culto, polemistas valiosos, doutores da letra, intérpretes competentes, reformistas apaixonados, mas raríssimos apóstolos.

        De modo geral, quase todos os crentes se dispõem ao ensino e ao conselho, prontos ao combate espetaculoso e à advertência humilhante ou vaidosa, poucos surgindo com o desejo de servir, em silêncio, convencidos de que toda a glória pertence a Deus.


Fonte: Vinha de Luz. Psicografia Chico Xavier. Pelo Espírito Emmanuel.




quarta-feira, 12 de abril de 2017

Post.249: 160 ANOS DO O LIVRO DOS ESPÍRITOS


         O Livros dos Espíritos, em francês - Le Livre des Esprits , publicado em 18 de abril de 1857, completa 160 anos de seu lançamento em 2017. O Livros dos Espíritos é o marco inicial da Doutrina Espírita, sendo o primeiro livro sobre o Espiritismo. Marcando também esta data de 18 de abril de 1857 a fundação do Espiritismo, que, até então, não possuía senão elementos esparsos sem coordenação, a partir desse momento, também, a doutrina fixa a atenção dos homens sérios (deixando para trás as distrações que eram as mesas girantes) e toma um desenvolvimento rápido. Em poucos anos, essas ideias acharam numerosos adeptos em todas as classes da sociedade e em todos os países. Esse sucesso, sem precedente, liga-se sem duvida as simpatias que essas ideias encontraram, mas deveu-se também, em grande parte, à clareza, que é um dos caracteres distintivos dos escritos do pedagogo, autor, tradutor, filosofo, educador Hippolyte Léon Denizard Rivail, que usou o pseudônimo de Allan Kardec para assinar todas as suas obras espíritas. Aproveitando seus recursos intelectuais e experiência no magistério, Kardec resolveu dar ao livro básico da codificação uma metodologia didática, a qual se revelou altamente indicada para as circunstâncias de implantação da nova doutrina. O método escolhido foi o de perguntas e respostas por parte dos espíritos, divididas em quatro grupos bem definidos de ideias, recebendo, cada um, o nome de parte ou “livro”.

         O Livros dos Espíritos foi lançado no Palais Royal (que é um palácio e jardim localizado no 1° arrondissement de Paris, França). A obra na forma de perguntas e respostas, os espíritos explicaram tudo o que a humanidade estava preparada para receber e compreender, esclarecendo-a quanto aos eternos enigmas de sabermos de onde viemos, por que aqui estamos, e para onde vamos, facilitando, assim, ao homem, a compreensão dos mais difíceis problemas que o envolvem. Allan Kardec, quando redigiu seus livros, escreveu para o povo, em linguagem simples.

   
     Originalmente em sua primeira edição contou com apenas 501 questões, mas três anos mais tarde, em 18 de março de 1860, Kardec lançou a segunda edição francesa de O Livros dos Espíritos. Para a segunda edição, Allan Kardec reuniu
Segunda edição de O Livro dos Espíritos
subsídios suficientes para publica-la, fundindo mais um conjunto de instruções que possuía, e aproveitando para dar à distribuição das matérias uma ordem muito mais metódica, inserindo notas explicativas, tendo O Livros dos Espíritos naquela reimpressão, sido revisto quase como um novo trabalho, embora os princípios não hajam sofrido nenhuma alteração, salvo pequeníssimo número de exceções, que são antes complementos e esclarecimentos que verdadeiras modificações. Para esta revisão, Kardec manteve contato com grupos espíritas de cerca de 15 países da Europa e das Américas. Foi nesta segunda edição que aparecem 1018 perguntas e respostas, sendo que algumas edições atuais trazem 1019 perguntas e respostas, acréscimo que, segundo a FEB (Federação Espírita Brasileira), foi devido a Kardec não ter numerado a pergunta imediatamente após a 1010, aquela que seria a 1011. Assim, sendo, o livro teria, na pratica 1019 e não, 1018 perguntas.


     

        Como um observador e cientifico que era, Kardec sempre usava diferentes
médiuns para atestar a veracidade das informações, além disso eram lhe enviadas varias mensagens psicografadas de diferentes lugares, cidades, países, que Kardec nunca esteve e que não conhecia os médiuns. É o Controle Universal do Ensino dos Espíritos, que Kardec definiu da seguinte forma: “Uma só garantia séria existe para o ensino dos Espíritos – a concordância que haja entre as revelações que eles façam espontaneamente, servindo-se de grande número de médiuns estranhos uns aos outros e em vários lugares diferentes.

            Foi Kardec que criou as palavras “espírita” e “ Espiritismo”, segundo as palavras do estudioso: “Para coisas novas, nomes novos”. Os estudos eram ininterruptos e, com diversos testes e análises racionais, sob crivos filosóficos, científicos e religioso.

        O Livro dos Espíritos, divide-se em quatro partes ou “livros” (como vimos no inicio da postagem) como comumente se dividiam as obras filosóficas à época, que abordam respectivamente:
Das causas primárias - abordando as noção de divindade, Criação e elementos fundamentais do Universo.

Do mundo dos Espíritos - analisando a noção de espírito e toda a série de imperativos que se ligam a esse conceito, a finalidade de sua existência, seu potencial de autoaperfeiçoamento, sua pré e sua pós-existência e ainda as relações que estabelece com a matéria.
Das leis morais - trabalhando com o conceito de Leis de ordem Moral a que estaria submetida toda a Criação, quais sejam as leis de: adoração, trabalho, reprodução, conservação, destruição, sociedade, progresso, igualdade, liberdade e justiça, amor e caridade.
Das esperanças e consolações - PENAS E GOZOS TERRENOS: 1) Felicidade e infelicidade relativas, 2) Perda de pessoas amadas; 3) Decepções, afeições destruídas; 4) Uniões antipáticas; 5) Medo da morte; 6) Desgosto da vida; suicídio. PENAS E GOZOS FUTUROS: 1) O nada; a vida futura; 2) Intuição das penas e dos gozos futuros; 3) Intervenção de Deus nas penas e recompensas; 4) Natureza das penas e dos gozos futuros; 5) Penas temporais; 6) Expiação e arrependimento; 7) Duração das penas futuras; 8) Ressurreição da carne; 9) Paraíso, inferno, purgatório, paraíso perdido.

“Com este livro, a 18 de abril de 1857, raiou para o mundo a era espírita (...) O livro dos espíritos é o código de uma nova fase da evolução humana. É exatamente essa a sua posição na história do pensamento. Este não é um livro comum, que se pode ler de um dia para o outro e depois esquecer num canto da estante. Nosso dever é estudá-lo e meditá-lo, lendo-o e relendo-o constantemente.Sobre este livro se ergue todo um edifício: o da doutrina espírita. Ele é a pedra fundamental do espiritismo, o seu marco inicial. O espiritismo surgiu com ele e com ele se propagou, com ele se impôs e consolidou no mundo”– Herculano Pires