Translate

quarta-feira, 30 de abril de 2014

Post. 141: A IMPORTÂNCIA DE UMA MENTE LIMPA

Assim como realizamos diariamente a higiene do nosso corpo físico, é de grande importância a limpeza da nossa mente, pois ela é que comanda todo o corpo. Ter uma mente limpa de pensamentos e intenções inferiores e desagradáveis, é vital para uma boa qualidade de vida, e para o nosso processo evolutivo. A qualidade do pensamento é de grande importância, e o que proporciona uma mente limpa são os bons costumes, o amor, a alegria, a caridade, a benevolência, o aprendizado dos ensinamentos de Jesus desenvolve em nós a limpeza dos pensamentos, nos fazendo buscar cada vez mais Deus.


Uma mente suja, é fonte de perturbação, com raciocínio poluído, sem poder processar as idéias com coerência, e afetando todo corpo físico. Como também afetando a auto-estima e a área emocional negativamente.

A higienização da mente se dar paulatinamente, ou seja, aos poucos, sem que haja agressividade, sendo um auto trabalho sutil, realizado com paciência e continuidade. Desmotivação, criticas, desistências... pode haver, mas o que deve ficar sempre é a persistência e o esforço.

A educação mental é uma educação longa, e que faz parte do crescimento espiritual, pois esta auto educação só “termina” na pureza espiritual, e se estende à níveis que o raciocínio humano não consegue acompanhar, escapando do nosso atual entendimento. Pensar de uma forma positiva e com amor, renova a alma, porque a vida é uma renovação diária e a alma também necessita acompanhar tal movimento vital, sendo uma necessidade urgente para o processo espiritual. E uma necessidade que o organismo precisa para uma qualidade de vida melhor, mas que atinge diretamente o espírito, o atualizando para maiores necessidades.
  
Pensamentos limpos melhoram o ambiente que se vive, abre novas possibilidades e entendimentos e conversas mais interessantes e que agregam valores ao viver.


O que ajuda a limpar a mente também é vigiar a qualidade dos pensamentos que se está tendo, e quando perceber que não são bons, sadios, com intenções boas, com amor... dissipar, mudar o pensamento para outras coisas que sejam mais enriquecedoras, ocupar a mente com coisas boas, com pensamentos que edifiquem. A oração é fundamental neste processo, proporcionando afastar pensamentos persistentes, e deixa a mente livre de pensamentos poluídos. Assim, mais uma vez o “santo remédio é Orar e Vigiar” como nosso amado Mestre Jesus nos ensinou, praticando oração e vigiando os pensamentos, se vai desenvolvendo habilidade de como manter a mente limpa, é só ter boa vontade consigo mesmo. Buscar a nossa melhora é um dever nosso, uma responsabilidade nossa. Viver é uma arte. Viver é se esforçar. Viver é evoluir. Viver é persistir. Viver é se libertar. Viver é amar a si mesmo e ao próximo. Então, tomemos consciência dos nossos deveres rumo a nossa escalada evolutiva. 

"Crê em ti mesmo, age e verás os resultados. Quando te esforças, a vida também se esforça para te ajudar." (Chico Xavier)


Paz, harmonia e luz a todos nós!

sexta-feira, 25 de abril de 2014

Post. 140: ONDE ESTÁ ALLAN KARDEC?

   
          Por precaução, apenas os desencarnados mais evoluídos, os estudiosos e os que trabalham pela orientação da Terra, sabem onde está Allan Kardec. Porque, se todos os desencarnados soubessem, logo nós encarnados saberíamos; e como há muitos imprudentes, se falar que Kardec está encarnado iria aparecer vários falsos “Allan Kardec”, e se falar que ele está desencarnado, poderia acontecer muitas manifestações, por meio mediúnico, em lugares em que não há a devida cautela, com mensagens assinadas falsamente.

A verdade é que:
Se Allan Kardec estiver desencarnado continua trabalhando pelo progresso e auxiliando os espíritos que trabalham pela evolução, ajudando com amor e carinho a todos; e muitas vezes pode mandar mensagens usando um pseudônimos diferente, assim ele fica livre para expor seus pensamentos e não cria nenhuma expectativa a mais do que lhe competia fazer.
E se estiver novamente encarnado, vivendo na matéria,  nem lembra e nem pensa no que foi no passado, porque isso não preocupa os espíritos bons.

Esta resposta também serve para os espíritos considerados santos ou que foram importantes, de alguma forma aqui na Terra.


Fonte: Livro – O Vôo da Gaivota. Do espírito Patrícia e psicografia de Vera Lúcia Marinzeck de Carvalho

segunda-feira, 21 de abril de 2014

Post.139: CONHECENDO UM POUCO MAIS A DOUTRINA ESPÍRITA

          A Doutrina Espírita também chamada de Espiritismo, não possui sacerdotes ou pessoas investidas de autoridades especiais, assim não tem uma organização clerical como as demais religiões tradicionais. No Espiritismo não existe templos suntuosos; não existe cerimônias de qualquer tipo, como batismo, crisma, casamentos, dentre outros cerimoniais; não tem rituais; não tem simbologias; não tem ornamentação para cultos; nem sinais cabalísticos; nem talismã; nem reverência; nem velas; nem vestes especiais; nem faz uso de imagens; não faz coleta de dinheiro; não tem sinais cabalísticos; nem benzeduras; não se adota bebidas ou oferendas de qualquer espécie; não é usado defumadores; e não existe cânticos e nem danças cerimoniais com ladainhas, danças ritualísticas.  Desta forma a Doutrina Espírita ou Espiritismo não deve e não pode ser confundida com seitas, religiões ou ritos afro-brasileiros, que são também mais antigos e de origens históricas e de locais completamente diferentes da origem da Doutrina Espírita ou Espiritismo, que tem a França como o seu país de origem e sua data de inicio é de 18 de abril de 1857 com o lançamento do  O Livro dos Espíritos.

A Doutrina espírita acredita que o “culto” deve ser feito no próprio coração, com sentimento puro, amando o próximo, servindo constantemente aos necessitados. Acreditamos que a pratica das boas ações e do pensamento equilibrado nos liga a Deus. Cultivamos uma fé raciocinada, e não uma fé cega. Para o Espiritismo Deus é a inteligência suprema, causa primeira de todas as cosias. A essência de Deus permeia todo o universo, é a Força, a Inteligência e o Amor, desde das partículas subatômicas até às galáxias, tudo está e é envolvido pela Lei Universal Onipresente. Não temos portanto, uma visão personificada ou antropomórfica de Deus; para nós Deus é a Lei Maior, o Amor Universal, a Sabedoria que coordena todas as leis menores da natureza.

Deus não castiga, nem escolhe favoritos, todo o universo é submetido a leis imutáveis e perfeitas, desta forma essas leis não são sujeitas a atitudes emocionais, e assim justas para com todos os seres viventes. O que existe são as consequências naturais dos atos praticados, é a “Lei de ação e reação”, ou “você colhe o que planta” ou o que “você joga volta”, pois somos nós mesmos os causadores de nossos sofrimentos. 

O Espiritismo não é simplesmente uma religião é uma doutrina que tem aspecto científico, filosófico, e religioso:


Pela  ciência a Doutrina Espírita estuda e pesquisa pelo racional e dentro de critérios que considera científico, os fenômenos mediúnicos, que são considerados fatos naturais. Não acreditamos em milagres, nem no sobrenatural, pois todos os fenômenos sendo até mesmo estranhos, tem uma explicação científica que deve ser buscada, para demonstrar os fatos e os mecanismos dos fenômenos entre o mundo físico (material) e o mundo extrafísico (espiritual). Os milagres vem do desconhecimento do homem em relação às leis naturais que regem as mais diferentes dimensões do universo, o que inclui o mundo dos espíritos, mundo tão real quanto o mundo material. Assim são aplicáveis pelo conhecimento das leis naturais do mundo físico, bem como pelas leis naturais do mundo extrafísico.    
Na filosofia se tem as respostas para as perguntas: “De onde viemos?”, “Quem somos?” e “Para onde vamos?”, a partir dos fenômenos mediúnicos, os porquês e as questões fundamentais da vida humana são objetos de estudos para o Espiritismo, assim nos fornece uma interpretação da vida, uma concepção do mundo, por estes fatos é também uma Filosofia.
E em relação a religião, como vimos acima o Espiritismo não é uma religião clássica com dogmas, rituais, sacramentos e sacerdócio... O aspecto religioso que apresenta é também visto como ético-moral, pelo fato que trabalha a transformação moral, por meio da essência dos ensinamentos de Jesus Cristo e também por mensagens de orientação etica-moral recebidas pelos médiuns. Propondo voltar a reviver o verdadeiro amor, a verdadeira caridade do inicio do Cristianismo. E sendo Jesus o Maior dos Mestres que já passou na Terra e o governador do nosso orbe, e aceitar Jesus para nós não é proclamar que O aceitamos, mas procurar seguir os seus ensinamentos.   

O Espiritismo não precisa de grandes construções físicas, ou cultos com rituais, pelo fato que o Espiritismo tem conteúdo para ser abordado, tem conhecimentos para ser passados, este é o ponto base do Espiritismo, conteúdo, esclarecimento;  e assim dispensa as coisas materiais, pois estamos vivenciando o momento em que não é mais necessário ver com os olhos físicos para crer, em que não é mais necessário grandes monumentos físicos para ir até lá adorar, nem rituais ou cerimoniais, mas sim o tempo já foi iniciado de adorar em espírito, sem necessidade de coisas materiais. O Espiritismo veio para trazer de volta a essência dos ensinamentos de Jesus, que a muito foi perdido as raízes dos Seus ensinamentos, com toda a Sua  humildade e simplicidade, o Espiritismo vem resgatar esse tempo e trazer até nós a mensagem que é possível nos melhorarmos, só depende de nós, ao invés de ficamos presos a parâmetros e segmentos tão materiais. 


Abaixo transcrevo um trecho da mensagem de  introdução  do livro Ação e Reação de André Luiz, psicografado por Chico Xavier, no entanto o texto de introdução foi do espírito Emmanuel, vejamos:
“...Os princípios codificados por Allan Kardec abrem uma nova era para o espírito humano, compelindo-o à auscultação de si mesmo, no reajuste dos caminhos traçados por Jesus ao verdadeiro progresso da alma, e explicam que o Espiritismo, por isso mesmo, é o disciplinador de nossa liberdade, não apenas para que tenhamos na Terra uma vida social dignificante, mas também para que mantenhamos, no campo do espírito, uma vida individual harmoniosa, devidamente ajustada aos impositivos da Vida Universal Perfeita, consoante as normas de eterna Justiça, elaboradas pelo supremo equilíbrio das Leis de Deus.
... A Doutrina Espírita, revivendo o Evangelho do Senhor, é facho resplendente na estrada evolutiva, ajudando-nos a regenerar o próprio destino, para a edificação da felicidade real.
... Exigindo-nos trabalho infatigável no bem, para a construção do Amanhã, sobre as bases redentoras do Cristo.”  (Emmanuel)



Leia mais sobre a Doutrina Espírita


sábado, 12 de abril de 2014

JESUS, NOSSO AMIGO

     O mais fascinante em Jesus foi a sua vida; a forma como apresentou o amor; a forma como Ele viveu; a forma como Ele tratou as pessoas; a forma como Ele nos apresentou Deus, um Deus que é Pai; a forma como Ele chamou as pessoas pra perto, sem obrigar nem impor, apenas convidado e sem se importar o que eram ou o que tinham feito... Ele é a nossa maior e mais linda inspiração, em busca da nossa evolução. 


Música: Luz Divida, de Roberto Carlos.

quinta-feira, 10 de abril de 2014

Post. 138: PÁSCOA NA VISÃO DA DOUTRINA ESPÍRITA

Em hebraico a palavra Páscoa significa libertação. Que é a comemoração da libertação dos escravos hebreus do Egito, liderados por Moisés. A Páscoa no contexto Cristão (usado principalmente pelos católicos) surgiu pela crucificação e ressurreição de Jesus Cristo, em que tem o sentido do perdão aos pecados através da morte de Jesus, sendo Ele o Cordeiro de Deus, porque no tempo de Moisés era costume sacrificar um cordeiro para agradar à Deus, nisto a crença de que Deus sacrificou Jesus para libertar a humanidade dos pecados.

Para nós espíritas os “pecados”, são os erros cometidos, são as falhas morais, e cabe a nós nos melhorarmos e assumirmos os nossos erros, pois somos nós que cometemos as faltas, e assim a responsabilidade é toda nossa de pagarmos por eles. Jesus, é o nosso Guia de como devemos viver, e Ele não morreu para nos salvarmos e nem tirar os nossos “pecados”, se assim fosse estaríamos vivendo já em um mundo feliz, sem tanta violência e descaso. É a Lei do Universo, pagarmos pelo que fazemos, uma lei imutável. Jesus veio mostrar o caminho para a nossa evolução, e não morrer pelos nossos erros.

Para o Espiritismo a comemoração da Páscoa é diária, assim como a comemoração do Natal; comemoramos não no sentido de comer ovo da páscoa e peixe todos os dias, nem de dar e receber presentes todos os dias, é no sentido de trabalharmos o nosso melhoramento, pois estas datas mudam de alguma forma o psiquismo humano em tais períodos de comemoração, que faz com que o ser humano pense mais na vida, e no próximo, por isso que não se deve ser vivenciado apenas nestes dois períodos do ano: a caridade, o amor, a reflexão em relação aos nossos erros e do melhoramento das atitudes, da moral... Devem serem exercitados, buscados e vivenciados diariamente. É a busca para libertação de certas atitudes que não sejam edificantes, de más tendências, de sentimentos inferiores. É a construção para vivencias mais harmoniosas, até para com nós mesmo, é a busca pelo equilíbrio...


Ainda a Páscoa é confundida (e o Natal também) com festas, presentes, comidas... No período da Páscoa se dar muita importância ao ovo da páscoa, ao peixe, ao coelhinho da páscoa, a não comer carne vermelha, mas isto acontece também pelo fato que as pessoas ainda necessitam de rituais, que estão apegadas aos fatos matérias, que ainda não se deram conta dos parâmetros mais além das coisas tangíveis, mais além das cosias matérias.

Devemos viver com dignidade; sem causar danos ao nosso corpo físico, como não fazer uso de bebidas alcoólicas, de cigarro, de drogas, de comidas em excesso e que faz mal a saúde, do sexo sem responsabilidade; sem enganarmos ao próximo e sem viver com mentiras e de mentiras; sem cometer abortos; sem desejar mau ao próximo; respeitando a natureza e os animais; perdoando... É a busca da melhoria do nosso padrão de comportamento, uma busca diária, sem desanimar, tendo perseverança.

A reflexão para o nosso melhoramento não se faz apenas na Páscoa e depois se esquece até a próxima páscoa, é uma atividade constante, que tem que ter disciplina, para alcançarmos a nossa libertação, inspirados pela vida e máximas de Jesus Cristo.  

Então desejo Páscoa (libertação) para você, para me, e para todos. 

quarta-feira, 9 de abril de 2014

Post.137: OPORTUNIDADES DESPREZADAS

     Transcrevo abaixo uma linda mensagem do site Momento Espírita. Na primeira parte da mensagem há um resumo básico da semana de Jesus e sua Missão aqui na Terra, e na segunda parte achei muito bonita a forma como colocaram no texto a explicação sobre os verdadeiros valores que devemos preservar, com exemplos de grandes nomes da humanidade, para exemplificar o que é realmente a Páscoa para o Cristão. Vejamos:


Era a semana da Páscoa. Nunca mais haveria dias de tal significado.
O Pastor estava entre os homens e os homens não O identificaram.
Naquele primeiro dia dos quatro últimos de Sua jornada na Terra, Jesus estava no Templo de Jerusalém. Como muitas vezes anteriores, passara o dia a ensinar às gentes que O desejassem ouvir.
E como das vezes anteriores, sofreu os ataques dos sacerdotes, daqueles mesmos que eram os lideres religiosos de um povo ávido de justiça e consolo.
Então, no entardecer, quando o dia começava a morrer, deixando-se abraçar lentamente pela noite, o Mestre demonstrou Seu cansaço.
Não era o cansaço do povo, das gentes sofridas, das dores multiplicadas que Lhe chegavam, em ondas constantes.
Era o cansaço por verificar o desprezo à religiosidade justamente dos que deveriam ser os mais interessados na preservação do patrimônio religioso.
E eles desprezavam a mensagem de que era o portador o Messias.
Num lamento, falou Jesus e Evangelista Mateus anotou: Jerusalém, Jerusalém, que matas os profetas e apedrejas aqueles que são enviados a ti. Quantas vezes eu quis reunir os teus filhos do mesmo modo que a galinha recolhe debaixo das asas os seus pintinho! E tu não o quiseste. Eis que a tua casa ficará deserta.
Jesus se encontrava na capital religiosa do mundo de então, em  plena semana da festa religiosa mais importante do ano.
Ele era o Rei, o Enviado, o Pastor das almas e eles não se davam conta disso.
Todos se preparavam para a comemoração da Páscoa e não aproveitavam a presença celeste entre eles, o mensageiro mais excelso que a Terra conheceu.
Era um momento especial e os homens o deixaram escorrer por entre os dedos. 


Hoje, ainda, existem oportunidades desprezadas por muitas criaturas.
Deixamos de atender o convite do Pastor para correr em busca de valores efêmeros. Coisas que hoje são valorizadas e amanhã não mais farão parte do rol de itens importantes.
Somente os valores reais são imperecíveis, inalteráveis no tempo.
A serenidade com que Sócrates recebeu a pena de morte que lhe foi imposta é a mesma serenidade que desfrutam todos os que compreendem que a vida é uma passagem rápida por um mundo de formas e inconsistências.
A paz de espírito que movia Gandhi é a mesma hoje, para todos os que abraçam a proposta da não violência.
O amor ao próximo que motivou Albert Schweitzer a se embrenhar na África Equatorial Francesa para atender aos seus irmãos é o mesmo que moveu Madre Teresa de Calcutá, nas estradas da Índia e nas ruelas do mundo.
É tempo de pensar!
É tempo de reformular ações.
Tudo para que não venhamos a nos transformar em uma casa vazia, um lugar deserto. Tudo para que nos voltemos para as coisas do Espírito, atemporais, imperecíveis.
O que equivale a dizer: sem apegos materiais. Conscientes de que os bens da Terra são para serem usados, para nos servirem, não para nos dominarem.
Conscientes de que as chances de crescimento devem ser aproveitadas, porque nunca se reprisarão da mesma forma, na mesma intensidade...
Pense nisso!


Redação do Momento Espírita.
Em 23.02.2010

terça-feira, 8 de abril de 2014

PRECES POR ALGUÉM QUE ACABA DE MORRER

59. PREFÁCIO. As preces pelos espíritos que acabam de deixar a Terra não tem somente a finalidade de lhes dar um testemunho de simpatia, mas tem ainda por efeito ajudar o seu desligamento e, com isso, abreviar a perturbação que segue sempre a separação, e tornar o despertar mais calmo. Mas aí ainda, como em outra circunstância, a eficácia está na sinceridade do pensamento, e não na abundância de palavras ditas com mais ou menos pompa, e nas quais frequentemente, o coração não toma parte.
As preces que partem do coração ressoam em torno do espírito, cujas idéias são ainda confusas, como as vozes amigas que vem nos tirar do sono.



60. PRECE.
            Deus Todo-Poderoso, que a vossa misericórdia se estenda sobre a alma de (dizer o nome da pessoa que desencarnou – faleceu) que vindes de chamar para vós. Possam as provas que ele (ou ela) suportou na Terra lhe serem contadas, e as nossas preces abrandar e abreviar as penas que pode ainda experimentar como espírito!
           
            Bons espíritos, que viestes recebê-lo(a), e vós sobretudo seu anjo guardião, assisti-o(a) para ajudá-lo(o) a se despojar da matéria; dai-lhe a luz e a consciência de si mesmo, a fim de tirá-lo da perturbação que acompanha a passagem da vida corporal para a vida espiritual. Inspirai-lhe o arrependimento das faltas que pôde cometer, e o desejo que lhe seja permitido repará-las para apressar o seu adiantamento para a vida eterna feliz.
            
          (Dizer o nome da pessoa que desencarnou – faleceu), vindes de reentrar no mundo dos espíritos, e entretanto estais aqui presente entre nós; vede-nos e nos ouvis, porque não há de menos entre nós e vós senão o corpo perecível que vindes de deixar e que logo será reduzido a pó.
           
            Deixastes o grosseiro envoltório sujeito às vicissitudes e à morte, e não conservastes senão o envoltório etéreo, imperecível e inacessível aos sofrimentos. Se não viveis mais pelo corpo, viveis da vida dos espíritos, e essa vida é isenta das misérias que afligem a humanidade.
            
            Não tendes mais o véu que oculta aos nossos olhos os esplendores da vida futura; podeis, de hoje em diante, contemplar novas maravilhas, ao passo que nós estamos ainda mergulhados nas trevas.
         
            Ides percorrer o espaço e visitar os mundos em inteira liberdade, ao passo que nós rastejamos penosamente sobre a Terra, onde nos retém nosso corpo material, semelhante para nós a um pesado fardo.
         
            O horizonte do infinito vai se desenrolar diante de vós, e, em presença de tanta grandeza, compreendereis a vaidade dos nossos desejos terrestres, das nossas ambições mundanas e das alegrias fúteis das quais os homens fazem as suas delícias.
         
            A morte não é, entre os homens, senão uma separação material de alguns instantes. Do lugar de exílio, onde nos retém ainda a vontade de Deus, assim como os deveres que temos a cumprir neste mundo, nós vos seguiremos pelo pensamento até o momento em que nos será permitido nos reunirmos a vós, como estais reunidos com aqueles que vos precederam.
          
            Se não podemos ir perto de vós, podeis ir perto de nós. Vinde, pois, entre aqueles que vos amam e que amastes; sustentai-os nas provas da vida; velai sobre aqueles que vos são caros; protegei-os segundo o vosso poder, e abrandai seus pesares pelo pensamento de que estais mais feliz agora, e a consoladora certeza de estarem um dia reunidos a vós num mundo melhor.
           
            No mundo em que estais, todos os ressentimentos terrestres devem se extinguir. Para vossa felicidade futura, de hoje em diante, que possais a eles ser inacessível. Perdoai, pois, aqueles que procederam mal para convosco, como vos perdoam os que podeis ter procedido mal para com eles.





61. (Outra Prece).
            Senhor Todo-Poderoso, que a vossa misericórdia se estenda sobre os nossos irmãos que vem de deixar a Terra. Que a vossa luz brilhe aos seus olhos. Afastai-os das trevas; abri seus olhos e seus ouvidos. Que os vossos bons espíritos os envolvam e lhes façam ouvir palavras de paz e de esperança.
          
            Senhor, por indignos que sejamos, ousamos implorar a vossa misericordiosa indulgência em favor daquele dos nossos irmãos que vem de ser chamado do exílio; fazei com que seu retorno seja o do filho pródigo. Olvidai, meu Deus, as faltas que ele pôde cometer para vos lembrar do bem que pôde fazer. A vossa justiça é imutável, nós o sabemos, mas o vosso amor é imenso; nós vos suplicamos abrandar a vossa justiça por essa fonte de bondade que provém de vós.
     
            Que a luz se faça para vós, meu irmão(ã), que vindes de deixar a Terra. Que os bons espíritos do Senhor desçam até vós, vos envolvam e vos ajudem a sacudir as vossas cadeias terrestres. Compreendei e vede a grandeza de nosso Senhor; submetei-vos sem murmurar à sua justiça, mas não desespereis jamais da sua misericórdia. Irmão(a)! que um sério retorno no vosso passado vos abra as portas do futuro em vos fazendo compreender as faltas que deixastes atrás de vós, e o trabalho que vos resta fazer para repará-las. Que Deus vos perdoe, e que os bons espíritos vos sustentem e vos encorajem. Vossos irmãos na Terra orarão por vós, e vos pedem orar por eles.  


Fonte: Coletânea de Preces Espíritas – Allan Kardec

segunda-feira, 7 de abril de 2014

Post. 136: JESUS E ATUALIDADE

          Jesus foi na época em que viveu, é, e sempre será, atual. As Suas atitudes e Seus ensinamentos, sempre acompanha a humanidade em todas as épocas, no tempo em que viveu encarnado na Terra mostrou uma nova forma de viver e sentir inimaginável para tal sociedade daquele tempo, algo superpreedente moderno; e nos dias atuais ainda nos surpreende ,nos faz compreender coisas que não se podiam serem entendidas, e questões que a ciência hoje comprova... E esta sociedade atual necessita de um Jesus mostrado de uma forma mais simples, de um Jesus que esteja mais perto de nós, como fala Joanna de Ângelis no texto abaixo: “Um Jesus descrucificado”; pois não precisamos mais de aparatos físicos para aprender, precisamos ver Jesus em Sua essência de uma maneira mais simples e acompanhando os seus ensinamentos e a sua forma de viver de uma maneira atual, moderna, de acordo com a nossa capacidade intelectual e livre em que vivemos hoje. Abaixo segue o texto de Joanna de Ângelis, do livro Jesus e Atualidade, psicografia de Divaldo Pereira Franco.


Jesus e atualidade

A atualidade do pensamento de Jesus surpreende os mais cépticos estudiosos da problemática humana, sempre complexa e desafiadora, nestes dias.
Profundo conhecedor da psique, Jesus penetrava com segurança nos refolhos do indivíduo e descobria as causas reais das aflições que o inconsciente de cada um procurava escamotear.
Não se permitindo derivativos nem adiantamentos, enfrentando as questões com elevado critério de sabedoria, que desnudava as mais intrincadas personalidades psicopatológicas, propondo com rigor a terapia compatível, elucidando quanto à responsabilidade pessoal e eliminando a sombra projetada sob a qual muitos se ocultavam.
Por processos mais demorados, a psicologia profunda chega, no momento, às mesmas conclusões que Ele lograva com facilidade desde há dois mil anos.
(...)
A personalidade marcante de Jesus impressionava, de forma indelével, todos aqueles que O encontravam.
Identificado com Deus, demonstrava-O em todos os Seus Passos, conclamando os ouvintes à conquista da realidade – o reino dos céus – que se encontra no imo de cada um.
A Sua proposta de aferição de valores – os materiais com os espirituais – oferecia a excelente oportunidade para o despertamento mental a respeito da vida e a consequente experiência vivencial em clima de harmonia íntima, com uma identificação entre as possibilidades, e as circunstancias existenciais.
Sem utilizar-se de expressões e conceitos interpolados, falava uma linguagem de simples apreensão pela massa ignorante e pelas mentes elitizadas que O buscavam.
Extraordinário narrador de historias, uma das artes mais difíceis na área do discurso, e poeta ímpar, em razão das imagens puras na sua riqueza de cores e de significado, os Seus ensinamentos eternizaram-se, reconhecidos como dos mais belos jamais anotados pela gnose.
O sermão da montanha, considerado a “carta magna dos direitos humanos”, é um desafio de não-violência, próprio para esta época, assim como foi para aquela em que Ele o enunciou. Os que o ouviram, jamais se desimpregnaram da sua magia incomparável.
Não somente, porém, Jesus é atual pelas terapias de amor e pelos ensinamentos que propõe ao homem contemporâneo, mas também, pelo exemplo de felicidade e exteriorização de paz que irradiava.
Enquanto as ambições desregradas conduzem as inteligências ao paroxismo e à alucinações da posse, da fama, da glória, das disputas cegas, Ele ressurge na consciência moderna em plenitude, jovial e amigo, afortunado pela humanidade e a segurança íntima.
A atualidade necessita urgentemente de Jesus descrucificado, companheiro e terapeuta em atendimento de emergência, a fim de evitar-lhe a queda no abismo.
(...) Buscando respostas da conduta na terapia de Jesus, cujos resultados, obviamente, são a saúde, a paz e a felicidade como experiências ainda não fruídas individual e coletivamente pelos homens.
(...) Rogamos a Ele que nos oriente e ampare no rumo que seguimos, ansiosos pela nossa realização total.

Salvador, 20 de fevereiro de 1989
Joanna de Ângelis  


domingo, 6 de abril de 2014

SIMPLIFICA

          Será que a vida é mais simples do que pensamos? E que somos nós que a complicamos e dificultamos? Será que nossas preocupações muitas vezes tomam proporções exageradas? Será que nos martirizamos além do que podemos suportar ou além da realidade? Será que não reclamamos demais das coisas? Será que não acumulamos muitas coisas matérias sem necessidade? Será que não acumulamos sentimentos perturbadores, como raivas, tristezas, pessimismo?...
         O Espírito Emmanuel nos apresenta nesta mensagem chamada Simplifica, como podemos tornar a nossa vida mais funcional, mais simplificada, mais objetiva, sem “entulhos” acumulados tanto em nossa mente, como na área sentimental, nas posses físicas exageradas.     




Simplifica

Se desejas a bênçãos da paz, simplifica a própria vida para que a tranquilidade te favoreça.

Muitos recorrem ao auxílio dos outros, esquecendo a necessidade do auxílio a si mesmo.

Encarceram-se no cipoal das preocupações sem proveito, adquirindo compromissos que lhes prejudicam a senda e acabam suplicando o socorro da caridade, quando, mais avisados, poderiam entesourar amplos recursos para a assistência generosa aos mais desfavorecidos do mundo, empregando o talento das horas nas mais ricas sementeiras da simpatia.

É que se extraviam nas ambições desregradas, buscando para si próprios os mais duros grilhões de angustia ou fixando aos ombros frágeis, cruzes e fardos difíceis de suportar.

Não se contentam em viver com segurança o dia que o Senhor lhes concede. Preferem sofrer por antecipação as tempestades morais do amanhã remoto que, talvez, jamais sobrevenham.

Não se conformam com o pão abençoado de hoje. Reclamam celeiro farto para longos anos, à frente da luta que lhes é própria, ignorando se a morte lhes espreita os passos na vizinhança.

Não se alegram com o agasalho valioso de agora. Exigem guarda-roupa repleto e variado de que provavelmente não mais se utilizarão, enquanto companheiros da marcha humana exibem a pele desnuda e fria.

Não se resignam a possuir dinheiro prestimoso que lhes soluciona os problemas da hora em curso. Suspiram pela caderneta de banco dominadora e invejável, que lhes marque o nome com a melhor expressão financeira, não  obstante a penúria que magoa, implacável, o lar alheio.

Aprenda a viver o minuto que Deus te empresta no corpo físico, amealhando a luz do conhecimento nobre e fazendo aos outros o bem que possas.

Auxilia, perdoa, trabalha, ama e serve, gastando sensatamente os recursos que o Céu te situou no caminho e nas mãos, como quem sabe que a Contabilidade Divina a todos nos procura no grave instante do acerto justo.

E, simplificando as próprias experiências, reconhecer-te-ás mais leve e mais feliz, habilitando-te,  por fim, à libertação espiritual que, infalivelmente, convocar-te-á hoje ou amanhã para o regresso à vida maior.


Psicografia de Chico Xavier, pelo espírito Emmanuel.
Mensagem do livro Mentores e Seareiros, editora IDEAL

quinta-feira, 3 de abril de 2014

Post.135: REALIZAR O EVANGELHO NO LAR SOZINHO


           O Evangelho no Lar cria defesas magnéticas em nossa casa, deixando o ambiente com energias positivas, que desestimulam toda ação maléfica, assim beneficiando todos os moradores da casa.  Joanna de Angelis nos fala que os benefícios do Evangelho no Lar ultrapassam o ambiente do lar, e que é pela luz do evangelho que “os dramas pessoais, as ocorrências infelizes, os temores e as discórdias cedem lugar à compreensão fraternal, à caridade recíproca, à paciência, e o amor.”

É por estes fatores que não se deve desistir ou desanimar na pratica do Evangelho no Lar, principalmente quando realiza-o sem a companhia dos familiares, ou amigos, pois jamais, nunca se está sozinho, os desencarnados se fazem presentes, pois assim como nós, eles também necessitam ouvir o Evangelho para reduzis os seus erros, precisam de esclarecimento e de consolo. Se possível mesmo estando sozinho “fisicamente”, realize sempre com voz audível, pois o Evangelho no Lar é um convite para a reforma intima no convívio fraterno de nosso lar.





Jesus disse: “Onde quer que se encontre duas ou três pessoas reunidas em meu nome, eu com elas estarei.” (Mateus, cap.18:20)
Nesta frase Jesus retira todas as duvidas de estarmos sozinhos, não foi da presença física que Ele falou, mas sim da presença espiritual. Pois, jamais se está só quando está falando de Jesus ou de Deus, podemos está sozinhos fisicamente, no entanto, espiritualmente não. Por isso que Jesus falou tal frase. Jesus sempre está presente.


A postagem 09, nos esclarece o que é e como realizar o Evangelho no Lar. Acesse o link para ler: http://jardim-espirita.blogspot.com.br/2013/03/post-09-pratica-do-evangelho-no-lar.html