Translate

sábado, 29 de agosto de 2015

PERANTE A MULTIDÃO


E outros, zombando, diziam: Estão cheios de mosto. (Atos, 2:13)

A lição colhida pelos discípulos de Jesus, no Pentecostes, ainda é um símbolo vivo para todos os aprendizes do Evangelho, diante da multidão.
A revelação da vida eterna continua em todas as direções.
Aquele “som como de um vento veemente e impetuoso” e aquelas “línguas de fogo” a que se refere a descrição apostólica, descem até hoje sobre os continuadores do Cristo, entre os filhos de todas as nações.
As expressões do Pentecostes dilatam-se, em todos os países, embora as vibrações antagônicas das trevas.
Todavia, para milhares de ouvintes e observadores apenas funcionam alguns raros apóstolos, encarregados de preservarem a divina luz.
Realmente, são inumeráveis aqueles que, consciente ou inconscientemente, recebe, os benefícios da celeste revelação; entretanto, não são poucos os zombadores de todos os tempos, dispostos à irreverência e à ironia, diante da verdade.
Para esses, os leais seguidores do Mestre estão embriagados e loucos. Não compreendem a humildade que se consagra ao bem, a fraternidade que dá sem exigências descabidas e a fé que confia sempre, não obstante as tempestades.
É indispensável não estranhar o assédio desses pobres inconscientes, se te dispões, efetivamente, a servir ao Senhor da vida. Cercar-te-ão o trabalho acusando-te de bêbado;  criticar-te-ão as atitudes, chamando-te covarde; escutar-te-ão as palavras de amor, conservando a ironia na boca. Para eles, a tua abnegação será envilecimento, a tua renúncia significará incapacidade, a tua fé será interpretada à conta de loucura.
Não hesites, porém, no espírito de serviço. Permaneces, como os primeiros apóstolos, nas grandes praças, onde se acotovelam homens e mulheres, ignorantes e sábios, velhos e crianças...
Aperfeiçoa tuas qualidades de recepção, onde estiveres, porque o Senhor te chamou para interprete de Sua Voz, ainda que os maus zombem de ti. 


Fonte: Livro Vinha de Luz. Chico Xavier pelo Espírito Emmanuel. 

domingo, 23 de agosto de 2015

Post.212: PENTECOSTES, SEGUNDO O ESPIRITISMO

Chegando o  dia de Pentecostes,estavam todos reunidos no mesmo lugar. De repente, veio do céu um ruído, como se soprasse um vento impetuoso, e encheu toda a casa onde estavam sentados. Apareceu-lhes então uma espécie de línguas de fogo, que se repartiram e repousaram sobre cada um deles. Ficaram todos cheios  do Espírito Santo e começaram a falar em outras línguas, conforme o Espírito Santo lhes concedia que falassem.
Achavam-se então em Jerusalém judeus piedosos de todas as nações que há debaixo do céu. Ouvindo aquele ruído, reuniu-se muita gente e maravilhava-se de que cada um os ouvia falar na sua própria língua. Profundamente impressionados, manifestavam a sua admiração: “Não são, porventura, galileus todos estes que falam? Como então todos nós os ouvimos falar, cada um em nossa própria língua materna? Partos, medos, elamitas; os que habitam a Mesopotâmia, a Judéia, a Capadócia, o Ponto, a Ásia, a Frígia, a Panfília, o Egito e as províncias da Líbia próximas a Cirene; peregrinos romanos, judeus ou  prosélitos, cretenses e árabes; ouvimo-los publicar em nossas línguas as maravilhas de Deus!” Estavam, pois, todos atônitos e, sem saber o que pensar, perguntavam uns aos outros: “Que significam estas coisas?” Outros, porém, escarnecendo, diziam: “Estão todos embriagados de vinho doce.” 
(Atos dos Apóstolos; 2:1-13)


Primeiramente, vamos entender A Festa de Pentecostes no judaísmo e no catolicismo:

Pentecostes é uma palavra grega que significa quinquagésimo dia. Referente ao tempo gasto pelo povo judeu depois de partirem do Egito, o Êxodo; em que gastaram quarenta e nove dias até o Monte Sinai; e no quinquagésimo dia, Moisés recebeu o Decálogo, que é a entrega dos Dez Mandamentos de Deus à Moisés, em memória disto instituiu-se a festa de Pentecostes. A festa foi tomada de novas motivações com o passar do tempo e também novos nomes. A celebração era conhecida inicialmente por vários nomes: Festa da Colheita, pois era celebrada a colheita dos grãos da Terra; Festa das Semanas, pois a duração é de sete semanas; Festa das Primícias, pois é a entrega dos primeiros frutos da Terra a Deus. O nome Pentecostes foi adotado mais tarde, devido a festa começar 50 dias depois da Páscoa.

Na Igreja Católica, o  Pentecostes celebra a descida do Espírito Santo sobre os apóstolos de Jesus Cristo, através do dom das línguas, como é descrito no Novo Testamento – Atos dos Apóstolos. É celebrado 50 dias depois do domingo de Páscoa. O dia de Pentecostes ocorre no sétimo dia depois da ascensão de Jesus. Isto porque, Ele ficou quarenta  dias após a ressurreição dando os últimos ensinamentos a seus discípulos, somando aos três dias em que ficou na sepultura somam quarenta e três dias, para os cinquenta dias que se completam da páscoa até o ultimo dia da grande Festa de Pentecostes, sobram sete dias; e foram estes os dias em que os discípulos permaneceram no cenáculo até a descida do Espírito Santo no dia de Pentecostes.

Assim, era uma festa da qual Jesus participava e que, após sua Ascensão, adquiriu novo significado para os primeiros cristãos, com a vinda do Espírito Santo.

A Doutrina Espírita nos esclarece que os fenômenos mediúnicos ocorridos no dia de Pentecostes foram notáveis. Como a de mediunidade de efeitos físicos. Quando: “Todos estavam juntos num mesmo lugar e de repente veio do céu um ruído como de um vento que irrompe impetuoso. A casa, onde estavam reunidos, foi por ele preenchida.” (At. 2:1-2). Ou seja, os espíritos superiores lançaram mão desses efeitos com o intuito de fortificá-los na fé.


Os pontos luminosos percebidos sobre a cabeça de cada apóstolo, eram de espíritos “que não se mostraram visíveis de todo, mas apenas o suficiente para serem percebidos; e como brilhasse a parte que os discípulos puderam ver, interpretaram-na como línguas de fogo.” (Rigonatti, Eliseu. O Evangelho da Mediunidade. Cap. 2). Fenômeno, muito clássico hoje, que tem sido observado em inúmeras sessões espíritas e tem sido relatado pelos experimentadores, são as luzes, flocos de luzes, bolas de luzes, que assinalam a presença dos espíritos, fenômenos verificados no cenáculo e qualificados por Lucas como “umas como língua de fogo.”  A questão 88 de O Livro dos Espíritos, nos esclarece:
Pergunta: Os espíritos tem uma forma determinada, limitada e constante?
Resposta: Para vós, não; para nós, sim. O espírito é, se quiserdes, uma chama, um clarão ou uma centelha etérea. 

A questão deles terem começado a falar em outro idioma, é referente ao fenômeno mediúnico caracterizado por xenoglossia, médiuns poliglotas, que são médiuns que falam sob o efeito de um espírito, em línguas fora do conhecimento deles. Assim, o fenômeno de xenoglossia, é – “a faculdade de falar ou escrever em uma ou mais línguas estranhas, desconhecidas do médium, durante o transe mediúnico.”

Estes fenômenos se verificaram no dia de Pentecostes, no cenáculo, e maravilharam povos de todas as partes da Judeia, da Ásia, do Egito... Pois, naqueles dias, Jerusalém transbordava de peregrinos judeus, vindo de todas as partes do mundo. Não havia, pois, ocasião mais propícia para essas manifestações mediúnicas. E como os espíritos tendo tomado os discípulos, falassem em voz alta, os transeuntes correram a ver o que era e alguns de outras terras se admiraram de ouvir aqueles homens da Galileia falar corretamente suas línguas. Desta forma, pregando o Evangelho em muitas línguas, os Espíritos do Senhor demonstraram que se cumpria naquele momento a profecia de Jesus de que sua palavra seria ouvida por todas as nações da Terra.

Conforme o Discurso de Pedro, no cap. 2 de Atos dos Apóstolos. Pedro, aproveitando aquela oportunidade, esclareceu que os apóstolos não podiam estar bêbados como alguns julgavam, pois era muito cedo, ainda estavam na primeira hora do dia, isto é, nove horas da manhã. O que ocorreu fora previsto pelo profeta Joel, a respeito da mediunidade que desabrocharia por toda parte: “Depois disso acontecerá também o que vou dizer: Eu derramei o meu Espírito sobre toda a carne, e os vossos filhos e as vossas filhas profetizarão, os vossos velhos serão instruídos por sonhos e os vossos mancebos terão visões.”  (Joel 2-28)  Assim, Pedro percebendo que se iniciava o cumprimento de tal profecia, chamou a atenção daquela gente sobre o novo ciclo espiritual que a Terra começava a viver.  O Fenômeno de Pentecostes deu força ao Cristianismo nascente e muitos prosélitos se incorporaram à igreja naquele dia.

Outro fato importante no Pentecostes foi que havia naquele dia em Jerusalém pessoas de todas as partes do mundo conhecido da época e estes voltariam aos seus países como testemunhas oculares daqueles fatos maravilhosos. Muitos desses homens, no futuro, iriam ajudar o apóstolo Paulo na evangelização dos gentios. Pentecostes representa pois um momento importante na consolidação da fé e na expansão das primeiras comunidades cristãs.

Fonte: Wikipédia
           Site: Revista Virtual Herança Judaica
           Livro: A Casa do Caminho e os Primeiros Cristão. Sergito de Souza Cavalcanti.

domingo, 16 de agosto de 2015

ASPIRAÇÕES E TRABALHO

Todos nós aspiramos conseguir determinada realização em determinados ideais, mas todos necessitamos complementar qualidades para as aquisições de demandados.

*

Querias um casamento perfeito e a Divina Providência te concedeu um matrimônio em que te aperfeiçoes. Considerando que não somos seres angélicos e sim criaturas humanas, recebeste uma esposa ou vice-versa para um encontro feliz, entendendo-se, porém, que esse encontro não exclui o aprendizado da abnegação, através da solidariedade recíproca.

*

Desejavas filhos queridos que te concretizassem os sonhos e a vida te entregou filhos amados que te ofertam os mais altos testemunhos de ternura, entretanto, ei-los que exigem de ti sacrifício e renúncia a fim de que se façam educados e felizes.

*

Sonhavas com certos empreendimentos, em matéria de arte e cultura, indústria e administração e atraíste semelhantes encargos, no entanto, qualquer deles te angaria o êxito com vantagens compensadoras, se te entregares, sinceramente, à disciplina e à responsabilidade.

*

Esperavas amigos, em cujos ombros te apoiasses para viver e esses amigos apareceram, porém, a fim de conservá-los, será preciso aceitá-los tais quais são, como o dever de compreendê-los e auxiliá-los tanto quanto aguardas de cada um deles entendimento e cooperação, nas áreas do apoio mútuo.

*

Efetivamente queremos essa ou aquela premiação da vida, mas não nos esqueçamos de que a vida nos pede a retribuição de todos os valores que venhamos a conquistar com o trabalho na edificação do bem, de vez que também no campo da alma para receber é preciso dar, porquanto, em qualquer setor da existência, daquilo que se planta é que será justo colher.

Pelo Espírito Emmanuel


Fonte: Livro Convivência





segunda-feira, 10 de agosto de 2015

VÊ, POIS

Vê, pois, que a luz que há em ti não sejam trevas. – Jesus (Lucas, 11:35.)

Há ciência e há sabedoria, inteligência e conhecimento, intelectualidade e luz espiritual.
Geralmente, todo homem de raciocínio fácil é interpretado à conta de mais sábio, no entanto, há que distinguir.
O homem não possui ainda qualidades para registrar a verdadeira luz. Daí, a necessidade de prudência e vigilância.
Em todos os lugares, há industriosos e entendidos, conhecedores e psicólogos. Muitas vezes, porém, não passam de oportunistas prontos para o golpe de interesse inferior.
Quantos escrevem livros abomináveis, espalhando veneno nos corações? Quantos se aproveitam do rótulo da própria caridade visando extrair vantagens à ambição?
Não bastam o engenho e a habilidade. Não satisfaz a simples visão psicológica. É preciso luz divina.
Há homens que, num instante, apreendem toda a extensão dum campo, conhecem-lhe a terra, identificam-lhe o valor. Há, todavia, poucos homens que se apercebem de tudo isso e se disponham a suar por ele, amando-o antes de explorá-lo, dando-lhe compreensão antes da exigência.
Nem sempre a luz reside onde a opinião comum pretende observá-la.
Sagacidade não chega a ser elevação, e o poder expressivo apenas é respeitável e sagrado quando se torna ação construtiva com a luz divina.
Raciocina, pois, sobre a própria vida.
Vê, com clareza, se a pretensa claridade que há em ti não é sombra de cegueira espiritual.





Fonte: Livro Vinha de Luz. Chico Xavier, pelo Espírito Emmanuel. Cap. 33.

segunda-feira, 3 de agosto de 2015

REGRAS DE SAÚDE

1. Guarde o coração em paz à frente de todas as situações e de todas as coisas. Todos os patrimônios da vida pertencem a Consciência Divina.

2. Apoie-se no dever rigorosamente cumprido. Não há equilíbrio físico sem harmonia espiritual.

3. Cultive o hábito da oração. A prece é a luz na defesa do corpo e da alma. 

4. Ocupe o seu tempo disponível com o trabalho proveitoso, sem esquecer o descanso imprescindível ao justo refazimento. A sugestão das trevas chega até nós pela inércia. 

5. Estude sempre. A renovação das ideias favorece a evolução do espírito. 

6. Evite a cólera. Enraivecer-se é animalizar-se, caindo nas sombras de baixo nível.

7. Fuja à maledicência. O lobo agitado atinge a quem o revolve. 

8. Sempre que possível, respire a longos haustos e não olvide o banho diário, ainda que ligeiro. O ar puro é precioso alimento e o banho revigora as energias. 

9. Coma pouco. A criatura sensata come para viver, enquanto a criatura imprudente vive para comer. 

10. Use a paciência e o perdão infatigavelmente. Todos nós temos sido caridosamente tolerados pela Bondade Divina, milhões de vezes, e conservar o coração no vinagre da intolerância é provocar a própria queda na morte inútil.


Pelo Espírito André Luiz
Psicografia de Chico Xavier